Vá de férias, mas leve a Saúde consigo: Consulta do Viajante!
Para que as férias decorram sem sobressaltos, o melhor é incluir a Saúde na bagagem: seja doente crónico ou não, conheça os riscos do destino que escolheu, saiba como preveni-los e quais os cuidados que deve adotar antes, durante e após a viagem.

As férias constituem aquele momento por que se anseia ao longo do ano. São dias de pausa num quotidiano quase sempre demasiado preenchido e, por isso mesmo, devem ser desfrutados em pleno – com saúde, naturalmente!

O primeiro dos cuidados é, uma vez definido o destino de férias, conhecer os riscos que ele comporta.

Viajar na Europa implica normalmente, a nível de saúde, um risco mínimo, ao contrário do que acontece com os destinos chamados países tropicais, onde, apesar do atrativo das belezas naturais, as condições higienosanitárias são, por vezes, diferentes e, em algumas regiões é mais marcada a presença de doenças infecciosas.

Não quer isto dizer que não possa desfrutar em pleno das suas férias, basta estar informado sobre alguns cuidados a ter. É nas chamadas consultas do viajante que encontra essa informação com pormenor e rigor.

A consulta do viajante está disponível em diversas unidades de saúde pública do país e proporciona aconselhamento sobre as medidas preventivas a adotar antes, durante e depois da viagem, nomeadamente sobre higiene individual, cuidados a ter com a água e os alimentos. Nelas é possível também obter informação sobre a assistência médica no país de destino.

São igualmente avaliadas as condições de saúde do viajante, com especial foque nas grávidas, crianças, idosos e doentes crónicos.

Dependendo do destino, podem ser administradas vacinas ou a medicação preventiva da malária. A vacinação exigida difere de país para país e pode incluir imunização contra a febre amarela, a cólera, a febre tifoide ou a meningite meningocócica.

Além disso, a consulta do viajante proporciona assistência médica após o regresso, permitindo diagnosticar eventuais problemas de saúde contraídos durante a viagem.

É, pelo menos, um mês antes da viagem que é recomendada esta consulta especializada, mas há que ter em conta os prazos de marcação, pelo que é conveniente começar a planeá-la um pouco antes.