Rouquidão e Afonia
A voz é um instrumento precioso na nossa interação com os outros. Por isso, convém mantê-la “afinada”: Há que prevenir os excessos, evitar o uso incorreto da voz e saber como agir em caso de rouquidão ou afonia.

É ao nível da laringe que tudo se passa: quando respiramos, as cordas vocais (duas) permanecem separadas, mas quando falamos ou cantamos elas juntam-se e o ar que sobe dos pulmões faz com que vibrem, produzindo sons. Ora, quando algo afeta as cordas vocais, como uma inflamação, por exemplo, elas são impedidas de se unirem corretamente, vibrando de uma forma diferente, o que altera os sons emitidos. O resultado é, nestes casos, a rouquidão – a voz soa áspera, enfraquecida ou abafada e ouve-se com dificuldade, num tom diferente do habitual – ou afonia, perturbação caracterizada pela ausência de voz.

São múltiplas as causas da rouquidão e afonia, podendo estar relacionadas com doença ou com o estilo de vida e o uso que se dá à voz:

-Infeção na laringe

-Tosse excessiva decorrente de alergias

-Tabaco e álcool, – secam as cordas vocais diminuindo a sua capacidade de vibrar

-Uso excessivo e/ou incorreto da voz – acontece nas pessoas que usam a voz profissionalmente, como cantores, professores ou treinadores

-Refluxo gastroesofágico – a subida do conteúdo ácido do estômago pelo esófago provoca a irritação das cordas vocais

-Tumor na laringe – a rouquidão persistente é um dos seus primeiros sintomas

-Paralisia das cordas vocais – dá-se, geralmente, apenas numa das cordas, mas dificulta a junção de ambas e acaba por enfraquecer ou distorcer a voz.

Usamos a voz desde que nascemos, de uma forma natural e automática. Ao aparecimento dos primeiros sintomas, dirija-se à Farmácia! O seu farmacêutico conhece bem os mecanismos responsáveis pela produção de sons, as principais agressões de que são vítimas, bem como a forma mais adequada a cada caso para recuperar a qualidade da voz. Ao tratar a rouquidão e a afonia desde o início, evitará o agravamento dos sintomas!