Piolhos: mantenha-os à distância
Não espalham doenças, nem são perigosos, mas incomodam e muito, sobretudo as crianças. Pequeninos, mas visíveis ao olhar, os piolhos surgem sobretudo em tempo de aulas, passando de uma cabeça para outra por contacto direto.

Fixam-se junto ao couro cabeludo, e alimentam-se de pequenas quantidades de sangue. Multiplicam-se a um ritmo de oito a doze ovos diários – designados por lêndeas –, dos quais nascem novos piolhos após sete a dez dias. Antes de partir para uma desparasitação, certifique-se de que a comichão se deve a uma infestação de piolhos – conhecida por pediculose – já que o tratamento com antiparasitários como prevenção é desaconselhado.

Para detetar piolhos, o ideal é começar por lavar o cabelo, terminando com uma boa dose de amaciador, que facilita o desprendimento quer de piolhos, quer de lêndeas. Penteie o cabelo ainda húmido, separando-o em madeixas. Passe cada madeixa da raiz às pontas com um pente fino, que deve ser limpo após cada passagem a um lenço de papel branco. No final, analise as partículas acumuladas no lenço e veja se realmente se trata de piolhos e lêndeas.

Apesar de altamente contagiosos, os piolhos podem ser mantidos ao longe

  1. Não partilhar pentes, escovas ou outros acessórios de cabelo, chapéus, cachecóis, écharpes, capacetes;

  2. Evitar deitar-se em camas ou sobre almofadas recentemente usadas por pessoas com piolhos;

  3. Evitar o contacto entre cabeças, comum na prática desportiva ou nas brincadeiras entre crianças

  4. Examinar a cabeça dos seus filhos a cada três ou quatro dias após eventual contacto com pessoas com piolhos.

Caso a prevenção não seja suficiente e a infestação acabe por acontecer é essencial tratar. A sua Farmácia aconselhar-lhe-á produtos adequados e ajudará a eliminar estes parasitas