Celulite – Mitos e realidades
A celulite é uma realidade no corpo de muitas mulheres. Todos sabemos qual o seu aspeto, mas ainda existem mitos que importa desfazer.

 

Celulite é o termo usado para descrever os depósitos de gordura que se acumulam sob a pele e lhe conferem a inestética aparência de “casca de laranja”: são pequenos nódulos que surgem sobretudo nas coxas, ancas, nádegas e pernas. Na sua origem está um desequilíbrio entre o armazenamento e a degradação de gordura: quando a gordura não é destruída ao mesmo ritmo em que é armazenada, dá-se um aumento de volume das células adiposas. Ao mesmo tempo, acumulam-se líquidos e as fibras que dão elasticidade endurecem, contraindo-se e puxando a pele para baixo – daí a aparência irregular e a sensibilidade associadas à celulite. Pesquisas mais recentes sugerem que a celulite não é exclusiva da obesidade. Assim, apesar de ser uma questão de gordura, nem sempre é uma questão de peso: a celulite tanto surge em corpos com quilos a mais como nos que têm peso normal e até nos magros.

Porquê as mulheres?

Embora também possa surgir nos homens, a celulite é mais frequente nas mulheres, porque:

– existe mais gordura – 20 a 25% contra 10 a 15% no homem.

– as células adiposas estão organizadas por lóbulos em camadas verticais, o que permite armazenar mais gordura, enquanto nos homens se organizam na diagonal em pequenas unidades.

– as alterações hormonais femininas podem levar a uma maior formação de celulite coincidindo com momentos como a puberdade, a gravidez e a menopausa.

Além do género, há outros fatores envolvidos:

Genética – determina a localização e quantidade de células adiposas. Metabolismo lento – o desgaste das gorduras é retardado, o que favorece a sua acumulação Idade – com os anos, as fibras perdem consistência e tonicidade. Ausência ou insuficiência de exercício físico

Alimentação demasiado rica em gorduras e hidratos de carbono e pobre em vitaminas e minerais.